A Toca do Túlio

Maio 10, 2008

“Cem dias”

Filed under: Forças de Segurança — tuliohostilio @ 6:10 pm

Como o tempo disponível é sempre diminuto, tenho-me abstido de escrever, limitando-me de tempos a tempos a efectuar alguns “recortes de imprensa” que considero mais relevantes em matéria de Segurança.

Motivo pelo qual me penitencio perante os habituais leitores deste espaço, e que são bastantes, o que muito me apraz.

Não obstante a condicionante atrás citada, não posso deixar de passar em branco uma notícia publicada no Diário de Notícias, sobre os cem dias da PSP no lugar da GNR. É já, sobejamente, conhecida a minha posição sobre esta questão, expressa desde o primeiro momento e penso que sem qualquer margem para dúvidas.

A citada notícia baseia-se numa entrevista efectuada ao senhor presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia, o qual tece diversas considerações que, na minha perspectiva, deverão ser merecedoras de alguns reparos.

 

1.   Deixa desde logo, transparecer a ideia de que apenas a PSP ocupou áreas que do antecedente eram da GNR e que o inverso não terá acontecido, o que não corresponde à realidade dos factos, logo, tanto são “cem dias” para uma força como para outra no policiamento de novos espaços.

 

2.    Depois afirma-se que as Esquadras da PSP estão abertas 24 horas e que os Postos/Subdestacamentos da GNR encerram às 20H00. Deixando no ar a ideia que a partir dessa hora, nas áreas onde o policiamento é efectuado pela GNR não existe nenhum elemento desta força de segurança a prestar serviço de atendimento ao público.

Ora, isto não é verdade, porque o patrulhamento é assegurado no exterior, de acordo com aquilo que é considerado necessário e tendo em conta as possíveis limitações em termos de meios humanos e materiais. No que concerne às portas dos quartéis da GNR, estas estão encerradas a partir de determinada hora, embora não sendo aquela que é indicada na entrevista, mas uma outra que não refiro por motivos de segurança, estando as instalações, sempre, guarnecidas com militares destinados a atender os cidadãos que ali se dirigem pelos mais variados motivos. E isto, durante as 24 horas do dia, com excepção dos Postos de Atendimento existentes nalgumas localidades do interior, e mesmo assim com indicações sobre o local onde os cidadãos se devem dirigir a partir a partir do momento do seu encerramento, à semelhança daquilo que acontece noutros países da Europa considerados dos mais evoluídos nesta matéria.

Portanto, a única diferença, não é de substância, mas de forma. Num caso a porta está aberta, no outro está fechada, em ambos os casos há elementos das forças de segurança para atender o cidadão quando disso necessite. Trata-se de uma opção que está indissociavelmente ligado ao estatuto de cada uma das forças de segurança, militar num dos casos, civil no outro, sendo que em termos de segurança é inquestionavelmente preferível a opção da “porta fechada”, como aliás já se provou em determinado momento da nossa história recente.

 

3.    Refere-se, seguidamente, o ilustre sindicalista à existência de áreas dispersas e divididas com a GNR. Foi uma opção do Governo a reorganização do dispositivo territorial das forças de segurança, a qual obedeceu a determinados parâmetros, não podendo deixar de existir áreas limítrofes, havendo povoações que embora estejam integradas em áreas da PSP ficam mais perto da GNR e vice versa, daí não vem mal nenhum ao mundo, até porque em termos de efectivação de denúncias criminais o Código de Processo Penal é bastante claro, tal como a legislação conexa. Embora isso inflacione as estatísticas da criminalidade de quem recebe a denúncia, o que afinal parece ser o principal problema. Mas, não nos podemos esquecer que as duas forças de segurança pertencem ao mesmo ministério e nos termos da lei orgânica do Ministério da Administração Interna (DL 203/2006 de 27 de Outubro) “têm por missão defender a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, nos termos do disposto na Constituição da República e na lei”.

Situação mais caricata é a persistência dos ilhéus da PSP em diversas localidades do território nacional, tais como Torres Vedras, Torres Novas, Abrantes, isto só para citar alguns casos, espero que numa próxima reorganização essas situações sejam ultrapassadas e que o exemplo de Fátima seja suficientemente dissuasor de algumas campanhas de intoxicação que surgem ciclicamente quando se toca nesta questão.

     

4.    Relativamente à área de Sintra, denota-se também algum desconhecimento dos factos, tal como nos restantes casos que são relatados, porque não há soluções milagrosas, a única que havia era a poção do Astérix. Dado que se tratam de áreas muito complexas em termos sociais, onde a abordagem não pode ser exclusivamente policial, mas transdisciplinar, ou seja integrando diversos vectores, sendo o policial um deles, entre muitos outros. O que facilmente se constata através do rol de roubos de automóveis (vulgo carjacking), assaltos a estabelecimentos com recurso a armas de fogo, tudo amplamente divulgados pelos meios de comunicação social especializados na divulgação deste tipo de notícias. Sendo relatado no Correio da Manhã de 07/04/2008 que “o aumento da criminalidade no concelho de Sintra levou a Direcção Nacional da PSP a apostar no reforço da unidade responsável pelo patrulhamento na zona. Assim, e por determinação do novo director nacional, superintendente-chefe Oliveira Pereira, foram criadas as Equipas de ReacçãoTáctica (ERT) – unidades com, no máximo, dez agentes. Os elementos das ERT foram escolhidos a partir do efectivo do Grupo de Operações Especiais (GOE) e do Corpo de Intervenção (CI). Começaram a patrulhar várias freguesias do concelho de Sintra na época da Páscoa. O êxito, ao que o CM apurou, foi imediato. A dissuasão de crimes de furto, roubo por esticão e assaltos à mão armada levaram à redução dos índices de criminalidade no concelho. Inicialmente pensadas só para a época da Páscoa, as ERT mantêm-se a patrulhar o concelho de Sintra. Estas equipas deverão, em breve, passar a patrulhar também o concelho da Amadora.”  Mas é essa mesma imprensa que faz eco de diversos roubos violentos, contemporâneos da implementação deste tipo de dispositivo:

a.    Cacém – “Encapuzado e de arma em punho, dirigiu-se ao proprietário do café Cantinho da Anta, no bairro da Anta, em Agualva-Cacém, e murmurou: “Velho, isto é um assalto. Passa para cá o dinheiro todo.”

b.    Belas – Ainda não eram 11h00. Valdemar Silva, de 39 anos, estava sozinho na ourivesaria Figueirinha, em Idanha, Belas, concelho de Sintra. Viu um jovem aproximar-se da porta e foi abri-la. O que parecia um simples e bem vestido cliente era afinal um dos quatro assaltantes armados que queriam roubar a ourivesaria.

c.    Linha de Sintra – Seis pastelarias em dez dias, apenas na Linha de Sintra, “só surpreende pela obsessão das pastelarias”, garante uma fonte policial.

d.   Linha de Sintra – Cerca de 200 indivíduos lançaram na noite de domingo para segunda-feira o pânico num comboio da Linha de Sintra. Entraram na composição na estação da Tapada das Mercês, roubaram passageiros e foram saindo em grupos para apedrejarem o comboio, em várias ocasiões, no percurso até à Damaia. Quatro polícias ficaram feridos e apenas foi efectuada uma detenção.

e.   Cacém – Um jovem de 18 anos foi esfaqueado, ontem, por um colega de 17 anos, no interior da Escola Secundária Matias Aires, no Cacém. O caso aconteceu às 09.30 e o ferido foi transportado para o hospital Amadora-Sintra.

f.     Mem Martins – Hoje, quando os empregados do McDonald’s de Mem Martins se preparavam para iniciar mais um dia de trabalho, o inesperado aconteceu: De uma carrinha Audi A4, que posteriormente se veio a saber que tinha sido roubada momentos antes também em Mem Martins, saíram 4 jovens encapuzados, 3 deles munidos de pistola e outro com uma caçadeira, que irromperam pelo restaurante exigindo toda a quantia existente nas caixas registadoras.

De onde se conclui, com relativa facilidade que a melhor solução não será a utilização deste tipo de equipas, muito semelhantes àquelas que se fazem transportar pelas favelas do Rio de Janeiro no famoso “caveirão” e também elas muito ligadas à filosofia SWAT. 

 

5.   Finalmente, os índices de criminalidade não se determinam, apenas, em função da criminalidade denunciada/participada, pois temos de ter sempre presentes as famosas cifras negras e as cifras cinzentas. Daí ser, no mínimo, precipitado afirmar que a criminalidade está a aumentar ou a diminuir numa determinada área, porque estas estatísticas, têm de ser conjugadas com uma série de outros instrumentos sociológicos, onde se incluem os inquéritos de vitimação, para a partir daí se extraírem conclusões mais próximas da realidade.

 

Não podia terminar sem referir a conotação histórica que tem a expressão “cem dias”. Em 1814 Napoleão abdica, é assinada a paz e Luís XVIII sobe ao trono. Mas em 1815, dez meses após ter saído do poder, Napoleão escapa do seu exílio forçado na ilha de Elba e desembarca em Cannes com 1.200 soldados. Contudo, a Europa coroada não admite o retorno daquele que considera um “usurpador” e, mais uma vez, unida, prepara a sua derrocada. Durante cem dias, de Elba à segunda abdicação, Napoleão vê-se envolvido numa rede de intrigas e traições, manifestações de profunda lealdade, de extrema coragem ou de vergonhosa cobardia, actos que delineiam o cenário dessa aventura que culminou com a Batalha de Waterloo e o desterro em Santa Helena.

 

Efectivamente não é uma expressão que encerre em si bons augúrios….

 

Túlio Hostílio

14 comentários »

  1. Ilustre sindicalista??????
    Viu-se a meia dúzia associados que no outro dia conseguiu arregimentar à sua volta….

    Comentar por Incógnito — Maio 10, 2008 @ 6:57 pm | Responder

  2. E o Baptizado ? Falem do Baptizado….

    Comentar por Vovô Donald — Maio 12, 2008 @ 6:19 pm | Responder

  3. Com os mesmos meios a GNR faz o mesmo ou melhor que a PSP, para que não haja dúvidas!!!

    Como dizia o outro a GNR não é uma policia igual á PJ e à PSP!!!
    saudações

    Comentar por GENINHO — Maio 12, 2008 @ 11:14 pm | Responder

  4. Não sei o que os move constantemente contra a instituição e ao mesmo tempo contra os elementos da psp.Mas sinceramente se voce se preocupase mais a defender os interesses dos elementos da “sua”gnr certamente teria mais feed back por parte dos seus colegas.Quanto a reorganizaçao das forças de segurança ,isso só veio provar o quanto de burrice foi planeado e executado.As ilha que voce tanto fala são cidades medias/pequenas que já têm psp há já muitas decadas e que por isso é normal que assim continuem,como no caso dos outros paises nomeadamente Espanha e França onde populações acima de 10.000 habitantes têm policia.O exemplo de Fátima e Albufeira entre outros é o exemplo da desgovernação deste governo,foi a paga pelo excelente trabalho exercido ao longo dos anos pela psp.Já se perguntou a si o facto de os iluminados governates terem a segurança pessoal a cargo da policia?Talvez a confiança nos “seus” homens seja nula.
    Quanto as portas dos quateis encerradas nada mais que verdade e a partir das 20.00h no verão porque no inverno é apartir das 18.00 e não diga que é mentir porque se quiser enumerolhos todos na regiao norte.A nivel do sindicalismo,voce tem razão é muito vergonhoso o paulo e o ramos andarem com voces as costas,tenham coragem e partam voces sozinhos para o Terreiro da Paço.
    Ainda no que concerna a reorganizaçao só foi pena o patrulhamento não ser atribuido a nivel de todo o territorio nacional a voces e a investigaçao criminal passar toda para a psp/pj,esse é que foi o maior erro sabia?

    Comentar por atento — Maio 13, 2008 @ 1:28 am | Responder

  5. Caro Túlio
    Finalmente, alguém junta a voz a proclamar que “o rei vai nú” no mirabolante caso das “ilhas”… que só existem de um lado.
    Quanto a ideias descabeladas sobre a matéria do seu bom post, é evidente que não afectam a validade nem o sentido construtivo e equilibrado do mesmo.

    Comentar por Zé Guita — Maio 13, 2008 @ 6:31 pm | Responder

  6. Primeiro foram psp contra psp, depois psp contra governo, psp quer sindicato, 13 associações (fraco número, dá azar) querem fazer melhor que gnr. Se alimentam assim o ego força camaradas. mas excesso de ego é uma disfunção psiquica.

    Comentar por nome — Maio 14, 2008 @ 9:07 am | Responder

  7. Caro amigo da PSP, caso não saiba, a GNR fez um bom trabalho nas áreas suburbanas de Lisboa, nomeadamente no concelho de Sintra, pena é, que nunca tenham apostado nos meios humanos e logísticos, mas com o que tinha-mos os resultados estavam a vista, basta consultar…concordo na parte q a confiança politica tenha em algum modo, sido retirada, muito por culpa do constante abandono por parte da hierarquia Militar que esta (GNR) está sujeita, e que tem limitado o crescimento e evolução da instituição…mas como é sabido, a parte militar, esta para ficar, pena seja continuarem apostar na constante vertente militarista importada do exercito, por isso, vamos continuar atrasados e muito limitados no exercício das funções que deveria ser desta GNR, e, com algum desagrado vejo a psp a ocupar um lugar privilegiado na sociedade…mas compreensível.
    Opinião minha, o melhor seria optar por uma força única, porque para um pais tão pequeno, poupava-se uns bons milhões de euros e havia melhores resultados operacionais e de comando…Mas isso não passa de uma utopia, espere-mos que os “guitas e os cucos” se dêem melhor.

    Comentar por juba — Maio 14, 2008 @ 10:37 pm | Responder

  8. Receio que esta forma de analisar a tão propagandeada reforma das Forças de Segurança seja impeditiva de ver mais longe, isto é, nos distraia com estas pequenas estórias (áreas de actuação de cada uma das forças, quem é que é melhor, etc) em vez de se debruçar sobre o fundo da questão e esse terá de ser se a reforma atingiu o fim que se propunha e que só poderia ser: há mais e melhor segurança com esta organização?
    E já agora, para memória futura, para o bem e para o mal, quem é o pai da “criatura” criada?

    Comentar por Lima Santos — Maio 19, 2008 @ 5:39 pm | Responder

  9. Eu amava a minha profissão, heis que um amigo mais velho – com a mesma profissão -, me disse um dia: “Porque escolhes guardar o teu amor à profissão, numa caixa? Porque escolhes o melhor papel para a embrulhar? Porque escolhes o papel mais suave e o laço perfeito que coroa a tua oferta? Porque não deixas que rasguem o papel? Porquê tanto esforço? Porque impedes que rasgue o papel? Porque viras as costas? Para quê tanto cuidado no embrulho quando nada tens para guardar nessa caixa?”
    Ele não tinha razão. Pensei na altura.
    Afinal, muitos anos depois, tive que dar-lhe razão.
    Na verdade não havia mesmo nada – de interessante -para guardar na “caixa” das recordações.
    Abraço

    Comentar por Paulo — Maio 22, 2008 @ 5:04 pm | Responder

  10. Não conhecia este blogue..o autor parece me pessoa sensata e revela algum conhecimento dos factos que descreve..não é facil ser policia hoje em dia…contudo, ha que recordar que não estamos obrigados a ca estar, se somos infelizes..e não amamos a nossa profissão..há a licença sem vencimento…só que poucos optam por ela…porque será???

    Comentar por José — Junho 3, 2008 @ 4:30 am | Responder

  11. Olá caro amigo, voltei +ara te ler e vejo o teu blog cheio de pessoas interessadas nos teus assuntos, o tempo passou e tu estás melhor que nunca, continua e parabéns sofialisboa

    Comentar por sofia — Junho 7, 2008 @ 9:31 pm | Responder

  12. O país vai mesmo mal e o cêgo governo não quer ver, nem faz nada.

    Comentar por Odysseus — Julho 2, 2008 @ 10:23 am | Responder

  13. Às sete para as cinco, aconteceu a revelação mais curta da história do sensual Edifício Magnólia. Queres espreitar?

    Comentar por Magnolia — Julho 23, 2008 @ 10:00 am | Responder

  14. Pois é… isto não está nada bom, mas a mair parte dos Agentes e Guardas, em vez de se unirem parece que ainda se deitam a baixo com a conversa da treta. em vezde se axarem melhores que os outros unam-se e lutem todos juntos para que amanha possamos dizer que todos juntos trabalhamos melhor.

    Comentar por Ocean_Runner — Agosto 31, 2008 @ 8:28 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: